Skip to content

A Evolução das Lâmpadas

Em junho desse ano de 2016 esgotou-se o prazo para a retirada do comércio das lâmpadas incandescentes entre 41 e 60 watts das prateleiras, as mais comuns entre os demais bulbos incandescentes. Essa limitação no mercado brasileiro é resultado da portaria 1.007 de 2010 que já passou por etapas de fiscalização de comércios para outros tipos de lâmpadas incandescentes e agora se aproxima da reta final, onde todas serão proibidas. A seguir um pouco mais da Evolução das Lâmpadas.
O Ministério de Minas e Energia tem o papel de estabelecer níveis mínimos de eficiência energética de máquinas e aparelhos consumidores de energia, fabricados ou comercializados no País, por isso esta ação ocorre.
 
As lâmpadas incandescentes possuem uma eficiência na faixa de 7 a 20 lm/W, que já é bastante baixo em comparação às fluorescentes compactas de média em 50 lm/W. Quando a questão é iluminação de escritórios ou galpões, as lâmpadas mais utilizadas são as tubulares (que estão em sua maioria na faixa dos 60 a 80 lm/W).
 
As oportunidades de atualização de iluminação no mercado estão hoje focadas nas iluminações LED, que propiciam uma série de benefícios para o consumidor, desde baixo consumo elétrico até uma vida útil mais longa que as colegas fluorescentes. Existe uma diversidade bastante grande de marcas, opções e preços no mercado brasileiro, então às vezes fica difícil para o consumidor escolher. Sem dúvida é possível comprar um produto que irá suprir com as necessidades e expectativas a um preço acessível, porém deve-se ter cuidado com as lâmpadas de má qualidade que podem gerar queima precoce, perda de luminosidade e principalmente baixo fator de potência (e, por consequência, multas na conta de luz de indústrias e comércios). A evolução das lâmpadas é constante, mas a economia torna-se prejuízo se não fizermos a escolha certa.
 
 Conheça nosso serviço clicando AQUI, lhe garantimos que sempre existem possibilidades de melhoria e, portanto, economia na conta de energia de sua empresa no final do mês.

Rafael Turella

Engenheiro ambiental pela UNESP e mestre em Sistemas Sustentáveis com ênfase em Energia pelo Rochester Institute of Technology. É co-fundador da CUBi e atualmente responsável pela área de marketing e vendas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.