Gestão de energia para edificações

Gestão de energia para edificações

Posted on Posted in Conteúdo

A oportunidade da eficiência energética

O conceito de “produtividade energética” considera a eficiência com que os recursos energéticos são usados por unidade de produto econômico, geralmente medidos como consumo de energia por unidade do PIB. A duplicação da taxa global de aumento da produtividade energética de aproximadamente 1,5 a 3% ao ano tem o potencial de reduzir o consumo global de combustíveis fósseis em mais de US $ 2 trilhões até 2030 e pode criar mais de 6 milhões de empregos até 2020.[1] Edifícios residenciais e comerciais perfazem aproximadamente 34% da oportunidade de melhorar a produtividade energética. Quando comparado a outros setores, o setor de edifícios tem o maior potencial não realizado de economia de energia e emissões com boa relação custo-benefício.[2] A gestão de energia para edificações se torna ponto crucial a ser avaliado.

 

Relação do consumo de edifícios com a mudança climática

Hoje, os edifícios e a energia utilizada neles são responsáveis ​​por um quarto de todas as mudanças climáticas que causam as emissões de gases de efeito estufa e, se nada for feito, essas emissões continuarão a crescer.[3] Essa tendência é mais óbvia nas regiões em desenvolvimento da Ásia, América Latina, África e Oriente Médio, como mostra a figura abaixo. Segundo a Agência Internacional de Energia (IEA), soluções de climatização e iluminação que reduzem as emissões de carbono e que são energeticamente eficientes, juntamente com tecnologias de controle de sistemas para edifícios, podem reduzir as emissões de CO2 em até 5,8 Gt até 2050. Isso representa uma redução das emissões em 83% em relação ao nível atual de emissões.[4] A maioria dessas tecnologias já está comercialmente disponível e muitas delas proporcionam retornos financeiros positivos dentro de períodos de retorno de investimento relativamente curtos.[5]

 

Eficiência de recursos, não só de energia

Os edifícios sustentáveis ​​vão além de uma definição restrita de eficiência energética e minimizam muitos outros impactos ambientais. Os edifícios têm conseqüências para o meio ambiente, desde decisões de ocupação territorial no estágio de planejamento, seleção de materiais durante o projeto e construção, o uso de energia e água durante a vida do prédio, e o gerenciamento dos resíduos produzidos no prédio.

Globalmente, os edifícios são responsáveis ​​por quase 40% do uso de energia (incluindo 60% do uso de eletricidade), 12% do uso da água, 40% do lixo gerado (em volume) e 40% do uso de recursos materiais.[6] Nas cidades, edifícios ocupam 50% ou mais da área urbana.[7] Uma estratégia de eficiência que considere todos os recursos utilizados pelos edifícios pode ajudar a priorizar as ações que minimizem o uso de múltiplos recursos, reduzindo os custos e potencializando o consumo consciente.

 

Por que edificações são importantes?

Globalmente, os residentes urbanos passam a maior parte do tempo dentro dos edifícios. Nos Estados Unidos, as pessoas gastam em média 90% de suas vidas em edifícios.[8] A média mundial ainda não é tão alta, mas está aumentando como resultado da urbanização e do desenvolvimento econômico. As escolhas sobre edifícios que fazemos hoje terão impactos duradouros sobre o uso de recursos e serviços urbanos porque edifícios têm a vida útil mais longa se comparado com outras fontes de investimentos que consomem energia.

Os edifícios são, portanto, componentes críticos dos sistemas urbanos – tanto como estruturas físicas quanto como provedores de serviços sociais e econômicos que podem ser influenciados por escolhas institucionais. A construção de eficiência, incluindo as interações de edifícios com sistemas de forma urbana, transporte e energia, deve ser considerada como parte dos esforços estratégicos de planejamento urbano, investimentos em infraestrutura e governança urbana.

Os edifícios podem passar de contribuintes para os problemas de consumo insustentável de recursos e serviços urbanos inadequados para se tornarem parte da solução.

 

Como financiar um projeto para ser mais eficiente?

Contratos de desempenho (CDs) (ou contratos de performance) são mecanismos de financiamento que permitem que os investimentos em eficiência energética sejam pagos através da economia de energia realizada ao longo do tempo. Equipamentos e sistemas ineficientes em energia são substituídos por tecnologias de maior eficiência energética, e o investimento de capital, instalação, comissionamento e gerenciamento contínuo são pagos por uma Empresa de Serviços Energéticos (ESCO) ou um financiador de terceiros. O proprietário do edifício paga a ESCO da economia de energia operacional criada durante um período de tempo definido de até 20 anos.[9]

Os pagamentos de ESCOs estão diretamente ligados à quantidade de energia economizada, sem a necessidade de investimento inicial de capital pelo proprietário do edifício. Uma das características atraentes da contratação de desempenho é que, durante a instalação e pela duração do contrato, a ESCO assume o risco de desempenho do projeto.[10] Os maiores mercados de ESCOs podem ser encontrados nos Estados Unidos e na China. Na Ásia, outros exemplos de sucesso incluem o Japão, a Tailândia e a Malásia.

Esses contratos normalmente são caracterizados por uma taxa mínima de poupança acordada, e a diferença entre o uso atual de energia e os novos níveis de uso de energia é usada para pagar a ESCO ou a instituição financeira. Outro tipo popular de contrato de CD é o contrato de poupança compartilhada, pelo qual as economias de custo de energia são compartilhadas entre o proprietário do edifício e a ESCO. Geralmente, as formas compartilhadas de contrato são financiadas pela ESCO. Os pagamentos para a ESCO podem ser uma porcentagem fixa de economias, uma taxa mínima mais uma parte da economia ou uma taxa escalonada que diminui com o tempo à medida que a ESCO recupera seu investimento. A figura abaixo mostra os fluxos de caixa típicos antes, durante e depois de um contrato de desempenho de energia com uma ESCO.

Artigo baseado em:

https://wribrasil.org.br/sites/default/files/Accelerating-Building-Efficiency.pdf

Referências

1 Lisbon Council. 2015. “The 2015 Energy Productivity and Economic Prosperity Index.” http://www.ecofys.com/files/files/ the-2015-energy-productivity-and-economic-prosperity-index. Pdf

2 IPCC. 2007. IPCC Fourth Assessment Report: Climate Change 2007: Synthesis Report. “4.3. Mitigation Options.” https:// www.ipcc.ch/publications_and_data/ar4/syr/en/mains4-3.html

3 Lucon, O., D. Ürge-Vorsatz, A. Zain Ahmed, H. Akbari, P. Bertoldi, L.F. Cabeza, N. Eyre, A. Gadgil, L.D.D. Harvey, Y. Jiang, E., Liphoto, S. Mirasgedis, S. Murakami, J. Parikh, C. Pyke, and M.V. Vilariño. 2014. “Buildings.” In: Climate Change 2014: Mitigation of Climate Change. Contribution of Working Group III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge, UK and New York, NY: Cambridge University Press. http://www.ipcc.ch/pdf/assessment-report/ar5/wg3/ipcc_wg3_ ar5_chapter9.pdf

4 International Energy Agency. 2011. “Technology Roadmap: Energy-Efficient Buildings: Heating and Cooling Equipment.” http://www.iea.org/papers/2011/buildings_roadmap.pdf

5 Lucon, O., D. Ürge-Vorsatz, A. Ahmed, H. Akbari, P. Bertoldi, L. Cabeza, N. Eyre et al. 2014. “Buildings.” in Climate Change 2014: Mitigation of Climate Change. Contribution of Working Group III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge, UK and New York, NY: Cambridge University Press. http://www.ipcc.ch/pdf/assessment-report/ar5/wg3/ipcc_wg3_ ar5_chapter9.pdf Major Economies Forum on Energy and Climate. 2009. Technology Action Plan: Buildings Sector Energy Efficiency. http://www.majoreconomiesforum.org/images/stories/ documents/MEF%20Buildings%20Sector%20EE%20TAP%20 11Dec2009.pdf Ürge-Vorsatz, D., A. Reith, K. Korytárová, M. Egyed, and J. Dollenstein. 2015. “Monetary Benefits of Ambitious Building Energy Policies.” Report Prepared for Global Buildings Performance Network. http://www.gbpn.org/newsroom/reportmonetary-benefits-ambitious-building-energy-policies

6 United Nations. 2010. The 10YFP Programme on Sustainable Buildings and Construction. http://www.unep.org/10yfp/ Portals/50150/Brochure%2010YFP%20SBC%20Programme. Pdf.

7 Old Urbanist. 2011. “Density on the Ground: Cities and Building Coverage.” http://oldurbanist.blogspot.com/2011/06/ density-on-ground-cities-and-building.html

8 U.S. EPA. 2009. “Buildings and their Impact on the Environment: A Statistical Summary.” http://www.epa.gov/greenbuilding/pubs/gbstats.pdf.

9 White, P. 2010. “An Awakening in Energy Efficiency: Financing Private-sector Building Retrofits.” Milwaukee, WI: Johnson Controls, Inc. http://www.areadevelopment.com/article_pdf/ id99715_PrivateSectorEnergyRetrofits.pdf

10 Institute for Building Efficiency. 2010. “Energy Performance Contracting, a Key to Unlocking Capital for Efficiency Retrofits.” http://www.institutebe.com/Existing-BuildingRetrofits/Energy-Performance-Contracting.aspx?lang=en-US

 

Se você quiser compartilhar:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *