Submedição de Energia – Quantos pontos eu preciso?

Essa pergunta é feita especialmente por indústrias iniciando estratégias de gestão energética e novos profissionais do setor. Infelizmente não existe um procedimento fixo ou fórmula que funcione em todos os casos, o número de pontos monitorados depende de muitas variáveis, sobretudo do objetivo dessa submedição de energia. De acordo com nossa experiência, vamos elencar 3 dicas em casos específicos para dimensionamento de submedição de energia.

1. Medir o desempenho energético antes e depois de ações de eficiência energética

Se o objetivo é medir a economia decorrente de uma ação de eficiência energética, então o setor ou máquina a ser atualizada deve ser monitorada para quantificar o consumo específico antes e depois da modificação. Além disso, pode ser necessário monitorar outros circuitos periféricos que a atualização possa afetar. Portanto, o número de medidores a serem instalados depende de condições locais e arquitetura do sistema elétrico (uma máquina ou setor pode estar conectado em mais de um disjuntor). O que geralmente vemos é que os medidores instalados geralmente estão entre 1 e 4 por projeto.

2. Composição de sistemas de gestão energética e economia de energia

O objetivo aqui é definir volumes de controle dentro de uma operação industrial ou comercial que permita o desenvolvimento de indicadores de performance para acompanhamento. As sub medições devem acompanhar essa separação de volumes de controle e os dados são utilizados ativamente para a gestão, conscientização e mudança comportamental. A implantação de um Sistema de Gestão Energética (SGE), ISO 50.001 ou certificação LEED são indicadores dessa via de monitoramento.

No setor industrial, não é tão comum encontrarmos plantas que instalam centenas de pontos monitorados, mas ainda assim esses casos estão crescendo. Pelo que vemos, o número de pontos tem uma relação direta com o consumo em kWh. Quanto maior o volume de energia e/ou a intensidade energética do processo produtivo, maior o número de medidores utilizados. No setor comercial, o número de pontos monitorados geralmente é menor, mas a regra geral no cálculo da média de medidores instalados com base no consumo em kWh ainda é válida.

Por exemplo, um edifício comercial com consumo mensal de 400 MWh com 20 andares, deve ser equipado com 20 pontos de submedição de energia (um para cada andar) e outros 10 para monitorar áreas comuns e equipamentos de utilidades

3. Número de pontos monitorados com base em economia potencial

Uma maneira interessante de estimar o número de pontos monitorados em um site é consumir 5% da fatura anual de energia e usá-la como custo total para a instalação do sistema de gerenciamento de energia. Estudos mostram que o uso adequado de um sistema de gerenciamento de energia excede uma redução de 5% da fatura anual e a quebra do consumo ajuda a identificar os setores e equipamentos que mais consomem. Portanto, para manter o período de retorno do investimento da instalação dos medidores em menos de um ano, faz sentido se concentrar na instalação de medidores dentro de um orçamento de 5% da fatura anual.

Quantos pontos de monitoramento para minha empresa?

Esperamos que nossas dicas de como abordar essa questão dentro de sua empresa tenham sido úteis. Se você ainda assim acha que pode se enquadrar em mais de um desses casos ou mesmo que nenhum destes faz sentido para sua empresa, temos algumas sugestões:

Aprofunde um pouco seu conhecimento no tema, através de materiais práticos disponíveis aqui em nosso Blog. Este ebook de Gestão de Energia para empresas é um ótimo primeiro passo:

Se o ebook fizer sentido e você estiver confiante que sabe o que precisa, é hora de colocar a mão na massa. Você pode dar um toque na CUBi para estudar valores de um sistema do tipo junto de um de nossos consultores. CONTATO CONSULTORES.

Se mesmo com o ebook, você ainda não achou o formato que vai funcionar, fique a vontade para pedir ajudar de um de nossos especialista, CONTATO ESPECIALISTAS.

Ricardo Dias

Engenheiro ambiental e urbano pela UFABC e mestre em Sistemas Sustentáveis com ênfase em Energia pelo Rochester Institute of Technology. É co-fundador da CUBi e atualmente CEO.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *