eficiência energética industrial

Eficiência Energética Industrial e seu Papel na Macro Economia

Posted on Posted in Conteúdo

Em 2016, o mundo teria usado 12% mais energia se não fosse as melhorias de eficiência energética (a eficiência energética industrial dentre elas) desde 2000 – equivalente a adicionar outra União Européia à energia global. Nas economias emergentes, os ganhos de eficiência energética limitaram o aumento do uso de energia associado ao crescimento econômico.

 

Na indústria, os sistemas de gestão de energia

Com o  aumento no uso de sistemas de gestão de energia, a eficiência energética industrial vem melhorando. O consumo de energia por unidade de produção econômica no setor industrial caiu quase 20% entre 2000 e 2016. Em algumas indústrias de uso intensivo de energia, como fundição de alumínio e cimento, a eficiência média melhorou consideravelmente como resultado da rápida expansão da capacidade de produção, especialmente nas economias emergentes, uma vez que as novas instalações tendem a ser muito mais eficientes do que antigas. Nessas indústrias, os ganhos de eficiência energética ajudam a reduzir o impacto dos preços voláteis da energia em competitividade.

A aplicação de sistemas de gestão de energia, que fornecem uma estrutura para monitorar consumo de energia e identificar oportunidades para melhorar a eficiência, está crescendo, impulsionado pela política e incentivos financeiros. O número de certificações para a ISO 50.001 – um padrão global de gestão de energia desenvolvido pela Organização Internacional de Padronização em 2011 – cresceu para cerca de 12000 certificados em 2015, dos quais 85% estavam na Europa. Evidências iniciais sugerem que as empresas que implementam a ISO 50.001 ou padrões similares podem alcançar economias anuais de energia da ordem de 10% e outros benefícios, incluindo melhor gerenciamento de outros insumos de produção.

 

E a Eficiência Energética das Edificações?

A eficiência energética industrial não é a única que melhorou. As edificações também melhoraram, mas é possível muito mais. Existe um potencial considerável para obter mais economias de energia ao estabelecer ou reforçando os padrões. Melhorias de eficiência de 10% a 20% são possíveis na maioria dos equipamentos e produtos de iluminação que já estão comercialmente disponíveis. Há forte impulso global para uma iluminação mais eficiente; até 2022, 90% da iluminação interior em todo o mundo é esperado para ser fornecido por lâmpadas fluorescentes compactas (CFLs) e diodos emissores de luz (LEDs). Um pouco mais sobre a história das lâmpadas aqui.

 

E o panorama Mundial?

O mundo continuou a gerar mais valor do seu uso de energia em 2016. A intensidade energética global – medida como a quantidade de demanda de energia primária necessária para produzir uma unidade do produto interno bruto (PIB) – caiu 1,8% em 2016. Desde 2010, a intensidade diminuiu a uma taxa média de 2,1% ao ano, o que representa um aumento significativo em relação à taxa média de 1,3% entre 1970 e 2010. A queda da intensidade energética é o principal fator que governa a redução das emissões de gases de efeito estufa globais desde 2014. A menor intensidade energética, impulsionada principalmente pelas melhorias de eficiência, é combinada com a mudança contínua para energias renováveis ​​e outros combustíveis de baixa emissão para compensar o impacto de Crescimento do PIB nas emissões.

Se você quiser compartilhar:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *