Pular para o conteúdo

Gestão de Energia no Varejo

O setor do varejo é, sem sombras de dúvidas, um dos mais importantes para o mercado do Brasil. Segundo o último estudo da SBVC, o varejo corresponde a 11,08% do PIB brasileiro, com crescimento por volta de 4%. Acompanhando esse crescimento, houve um também um aumento significativo no consumo de energia do setor, que dependendo do tipo de varejo, pode chegar a ser o segundo maior custo de uma empresa, ficando atrás apenas dos custos relacionados à folha de pagamentos, de acordo com informações da ABRAS. É por isso que iremos falar de Gestão de Energia no Varejo.

O crescimento do setor varejista é um ponto positivo, mas nem tudo são flores. A crise hídrica que o Brasil enfrenta nos últimos anos fez com que a Aneel optasse por implementar algumas ações que encarecem a conta de energia. Segundo dados da CCEE, em julho, as grandes redes de comércio tiveram um aumento de 19% no consumo de energia elétrica, se comparado ao mesmo mês de 2021.

Outro ponto importante está relacionado ao próprio modelo de negócio do varejo. É extremamente comum que alguns varejistas consumam energia 24 horas por dia e 7 dias da semana, o que aumenta potencialmente o valor na conta de energia, principalmente no horário de ponta (temos um artigo sobre horário ponta e fora ponta aqui).

Com esse consumo tão grande, fica clara a necessidade de realizar a gestão de energia numa empresa de varejo, né?! O primeiro passo nesse processo é identificar onde e como essa energia é consumida, para pensar em formas eficientes de cortar gastos.

Principais problemas que podem resultar numa conta de energia cara:

  • Consumo elevado no horário de ponta: como dito anteriormente, é normal muitos varejistas funcionarem 24 horas por dia, consumindo grandes cargas de energia no horário de ponta, gerando alto custo na fatura de energia.
  • Demanda contratada de energia incorreta: o ideal é que se respeite a demanda contratada. Uma demanda maior ou menor do que o acordado pode gerar grandes prejuízos, pois caso haja ultrapassagem, a distribuidora de energia pode aplicar uma multa, que chega a ser até três vezes o custo do kW.
  • Fator de potência abaixo do permitido: alguns motores, equipamentos e até lâmpadas fluorescentes, podem causar baixo fator de potência. E caso esteja abaixo de 0,92, a concessionária de energia pode aplicar multas na sua conta de energia. Detalhamos mais sobre esse assunto aqui no nosso blog.

Onde ocorrem os maiores gastos com energia no varejo:

  • Iluminação: Essencial em qualquer tipo de negócio, mesmo durante o dia, muitas lâmpadas precisam estar ligadas quando a luz natural não é suficiente para iluminar o local. 
  • Climatização: no Brasil, o principal equipamento de climatização nas empresas é o ar-condicionado. Esse equipamento, por si só, gera altos custos na conta de energia, mas o fator agravante vem quando a manutenção dos aparelhos não está em dia, exigindo um maior consumo de energia. 
  • Máquinas e equipamentos: depende muito do tipo de segmento em que sua empresa atua, mas a tendência é que, quanto mais máquinas forem utilizadas no local, haverá um maior consumo de energia, principalmente se essas máquinas forem antigas.
  • Armazenamento adequado de produtos: alguns alimentos e remédios precisam de refrigeradores para manter a qualidade e validade. O custo com energia pode ser maior se não houver a gestão energética no processo de regulação da temperatura.

Como citamos acima, pode ser que a sua empresa funcione 24/7 e necessite de todos os equipamentos ligados em 100% do tempo. Então como reduzir o custo de energia, neste caso? Veremos no próximo tópico!

Ações de eficiência energética no varejo

  • Monitoramento de Energia: 

É a grande virada de chave para encontrar oportunidades de economia na conta de energia. Através do monitoramento de energia em tempo real é possível prever o valor do consumo de energia antes mesmo que a fatura chegue no final do mês, além da possibilidade de receber alertas quando algo sair do previsto.

Os benefícios de realizar o monitoramento de energia no varejo são amplos, mas podemos destacar alguns dos mais interessantes: 

  • a possibilidade de descobrir qual setor ou máquina está consumindo energia de forma desnecessária;  
  • ter os dados necessários para dimensionar uma nova demanda contratada de forma correta; 
  • saber a porcentagem de kW e de R$ que é gasto no horário ponta; 
  • analisar dados reais para saber a hora de trocar uma máquina ou equipamento;
  • descobrir quanto kW e R$ é gasto nos horários que o estabelecimento está fechado e muitos outros…

Depois dessas informações, você considera que o monitoramento de energia pode auxiliar a sua empresa nos cortes de gastos? Clique aqui para solicitar uma demonstração gratuita da nossa ferramenta de eficiência energética. 

  • Gestão de Faturas: 

Para você gestor de uma empresa varejista que possui dezenas ou centenas de lojas espalhadas por aí, imagino a dificuldade de gerir todas as contas de energia, ainda mais se forem de concessionárias diferentes. Se a parte de gerenciamento e processamento já é complicada, imagina criar indicadores de eficiência energética para justificar ações de melhorias!?

Por isso, hoje, podemos encontrar no mercado um sistema para Gestão de Faturas, que possibilita extrair diversos dados da conta de energia, facilitando o processo de busca por oportunidades de economia.

Case de Sucesso - Itograss
  • Melhorias em equipamentos: 

Realizar manutenções frequentes, investir em máquinas mais novas, automatizar alguns equipamentos, como o ar-condicionado, e trocar as lâmpadas fluorescentes por LED pode ajudar a reduzir o custo com energia elétrica. Essas ações podem ter um investimento inicial um pouco alto, mas os benefícios financeiros a curto e longo prazo são bem maiores.

  • Eficiência Energética: 

Um projeto em eficiência energética envolve muito mais do que só monitorar o consumo de energia e não pagar multas. É preciso entender os processos internos da empresa, envolver todos os setores, e claro, se equipar com as melhores tecnologias do mercado. Nosso Head de Vendas Rafael Turella, detalha um pouco mais sobre esse assunto, no nosso blog. Clique aqui

  • Mercado Livre de Energia:

Se a sua empresa está no Mercado Cativo de Energia e possui determinadas faixas de demanda contratada, talvez seja bem vantajoso migrar para o Mercado Livre de Energia. Caso você não saiba muito bem do que estamos falando ou queira entender um pouco mais sobre as faixas de demanda contratada, temos um texto exclusivo sobre o assunto .

Mas como saber se esse é o melhor caminho para sua empresa? A ferramenta de gestão de energia da CUBi possui algoritmos customizados que conseguem te mostrar o grau de atratividade da migração para este tipo de mercado. Clique aqui para pedir uma demonstração exclusiva para a sua empresa. 

Mas como executar uma gestão de energia eficiente no varejo?

A principal e única resposta é: observando as características e necessidades da sua empresa!

O varejo é um setor muito extenso e complexo, e cada atividade é única. Como por exemplo: uma pequena loja de roupa de bairro tem necessidades completamente diferentes de uma grande loja de departamento; uma rede de farmácias tem menor consumo de energia com máquinas e equipamentos, mas possui uma infinidade de faturas de energia para gerir; já uma rede de supermercados tem altos gastos com consumo de energia em refrigeradores e ares-condicionados, mas podem (e ainda temos um “podem” dependendo da rede que estamos tratando) não ter tantas contas para administrar.

Não sabe por onde começar ou qual o melhor caminho para a eficiência energética? Bora falar de Gestão de Energia no Varejo.

Chama a gente para um papo, podemos te ajudar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *